Aplicação em Tesouro Direto: o que é e como começar

Fazer uma aplicação em Tesouro Direto é uma das melhores maneiras de começar a investir, especialmente se até hoje você só deixou seu dinheiro em poupança ou títulos de capitalização.

As principais vantagens em aprender como investir em Tesouro Direto são os baixos – quase nulos – riscos do investimento e a possibilidade de começar a entender como os investimentos funcionam. Além disso, ele é o mais indicado para a formação da sua reserva de emergência.

Nas próximas linhas, vamos te mostrar em mais detalhes o que é o Tesouro Direto, como a aplicação no Tesouro Direto funciona e as principais vantagens e desvantagens desse tipo de ativo financeiro.

Confira abaixo!

O que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é a maneira que o governo oferece a pessoas físicas de negociar seus títulos públicos. Suas principais características envolvem o baixo risco e custo. 

Por isso, é considerado o tipo de investimento mais acessível no país, já que é possível começar a investir com apenas R$ 30. O Tesouro Direto é um investimento de renda fixa, significando que sua rentabilidade é conhecida ou prevista desde o momento que aplica o seu dinheiro.

Como funciona o Tesouro Direto?

Como um investimento de renda fixa, previsibilidade e segurança são garantidos no Tesouro Direto. Mas o que acontece por trás das cortinas? Estamos lidando com uma operação financeira complexa?

Nada disso.

Fazer uma aplicação no Tesouro Direto nada mais é do que emprestar dinheiro para o governo. O título de crédito é a garantia de que essa dívida será paga em uma data predefinida. Com acréscimo de juros, obviamente.

Tipos de aplicação em Tesouro Direto

Não existe apenas um tipo de investimento em títulos públicos do Tesouro Direto. Os investimentos disponíveis são separados em três tipos, que irá conhecer a fundo logo abaixo.

Tesouro Prefixado

Se subdividindo em mais dois outros tipos, o Tesouro Prefixado se caracteriza por uma taxa fixa de rentabilidade. Isso significa que o investimento irá te retornar o valor do título mais um percentual definido antes da compra do título.

Está pesquisando por títulos do Tesouro Direto enquanto lê esse artigo? Então se você encontrar uma opção cuja remuneração seja de 4%, isso significa que está se deparando com um título de Tesouro Prefixado.

Como mencionamos, existem dois tipos de Tesouro Prefixado. O primeiro é o que citamos no parágrafo acima. O segundo é o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais. 

Enquanto o exemplo acima mostra uma taxa anual para os juros, nesse modelo eles são pagos semestralmente. Outra característica que o diferencia é que você pode resgatar seu dinheiro sem o risco de perder rentabilidade.

Tesouro atrelado à inflação

Também chamado de Tesouro IPCA+, esse tipo de investimento funciona de maneira oposta ao mostrado anteriormente. Ou seja, nesse modelo, você não tem certeza de quanto irá receber no final.

Isso acontece por conta do investimento estar atrelado a um indexador variável. Nesse caso, a inflação. Apesar de o Tesouro Prefixado significar uma previsibilidade, o Tesouro atrelado à inflação é garantia de receber acima do IPCA.

O motivo é que os investimentos nesse modelo somam o IPCA a uma taxa prefixada. Por exemplo, o Tesouro IPCA+ 2024 oferece rentabilidade anual de acordo com a inflação + 2,28%. Ou seja, não importa de quanto seja a inflação, você sempre receberá 2,28% acima do IPCA.

Assim como no Tesouro Prefixado, o Tesouro IPCA+ também conta com a modalidade de juros semestrais, funcionando da mesma maneira que demonstramos no item anterior.

Tesouro Selic

Da mesma maneira que vimos no item anterior, o Tesouro Selic também é um investimento atrelado a um indexador. Só que, diferente da inflação, esse é indexado ao Tesouro Selic.

É importante mencionar que só existe uma opção de investimento desse tipo e sua principal vantagem é a liquidez diária. Ou seja, você pode resgatá-lo quando quiser.

O Tesouro Selic tem rentabilidade atrelada à taxa de juros básica da economia. Atualmente, ela está fixa em 4,5%, mas pode mudar conforme os anos passam. Ou seja, é impossível prever com exatidão quanto receberá ao final do investimento.

Por só contar com um tipo de ativo, é a opção mais conservadora e ideal para montar sua reserva de emergência, já que possibilita tirar o dinheiro quando quiser.

Aplicação em Tesouro Direto - prazos para resgate

Cada uma das aplicações em Tesouro Direto mencionadas aqui tem um prazo próprio para resgate. Além disso, nem todas permitem sacar o investimento quando quiser, como mostramos no Tesouro Selic.

Para saber quais são os prazos de resgate para cada título do Tesouro Direto, o ideal é que consulte o site oficial e veja qual o vencimento de cada opção oferecida. Normalmente, o ano de vencimento de cada investimento é demonstrado no próprio nome do título, como mostramos na captura de tela abaixo.

Custos do Tesouro Direto

Só existem dois custos associados aos investimentos nos títulos públicos. Mesmo sendo um dos mais acessíveis, você precisa entender quais são antes de aprender como investir em Tesouro Direto.

Primeiro, vale mencionar que o Tesouro Direto é isento de tributação, contando apenas com uma alíquota cobrada no resgate do investimento. Quanto maior for o prazo para o resgate, menor é a alíquota do Imposto de Renda. Veja abaixo:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • 181 e 360 dias: 20%
  • 361 e 720 dias: 17,5%
  • Maior que 721 dias: 15%

 

É importante lembrar que a alíquota do IR é cobrada apenas dos rendimentos, e não do valor que investiu.

O segundo custo é a taxa de remuneração da Bolsa de Valores pela guarda e segurança dos seus títulos e outras informações pessoais registradas nela. A taxa é cobrada semestralmente e é de 0,25% ao ano. Ou seja, são duas cobranças de 0,125% do seu investimento.

A combinação de imposto e bolsa de valores é bem comum e deve sempre ser considerada ao estudar um investimento.

Como investir em Tesouro Direto

Agora que já tem todas as informações que precisa sobre como fazer aplicação no Tesouro Direto. Veja abaixo nosso passo a passo!

1. Se cadastre em uma corretora

Você não pode fazer operações financeiras sem uma corretora. Por isso, avalie as principais do mercado e avalie seus custos de operação, taxas e confiabilidade no mercado.

É importante também se certificar de que ela esteja apta a realizar operações financeiras. Para conferir se uma operadora tem autorização para operar, acesse o site da Bolsa de Valores.

2. Defina seu perfil de investidor

Investir no Tesouro Direto é ideal para iniciantes que estejam aprendendo sobre o mercado de investimentos. Dependendo do seu perfil de investidor, talvez não queira ficar lá para sempre. 

Por isso é importante definir o seu. Existem três tipos de perfil de investidor, caracterizados pela sua propensão e tolerância ao risco. São eles:

 

  • Conservador: avesso ao risco, mesmo que signifique menos rentabilidade. Prefere investir pensando no longo prazo e com segurança, sendo o Tesouro Direto uma das melhores opções para isso;

 

 

  • Moderado: também tem preferência por investimentos seguros, mas tem um pouco de tolerância ao risco. Podemos dizer que boa parte de sua carteira é composta por ativos de renda fixa, mas uma pequena parcela está investida na renda variável;

 

 

  • Agressivo: com maior tolerância ao risco, o investidor agressivo está em busca de rentabilidade no curto e médio prazo. Por isso, os títulos do Tesouro Direto não são um atrativo para ele.

 

3. Como descobrir a rentabilidade de cada aplicação

Como mencionamos antes no artigo, no site do Tesouro Direto estão disponíveis todas as aplicações que pode investir. Junto a elas, a rentabilidade anual, o investimento mínimo e o prazo de vencimento.

Caso ainda tenha dúvidas do quanto pode receber ao fim do prazo de vencimento, basta clicar no botão Simule o investimento para ter uma noção melhor. Lembrando que, no Tesouro Prefixado, você saberá exatamente o quanto receberá ao final do prazo.

4. Estudar as regras e prazos de cada aplicação

As regras do Tesouro Direto costumam ser bem parecidas, com exceção do Tesouro Selic, que pode ser resgatado a qualquer momento. De resto, basta seguir a lista no site oficial do Tesouro e descobrirá tudo o que precisa saber.

5. Investir!

Com todas as informações em mãos, você poderá escolher qual a melhor aplicação no Tesouro Direto que pode fazer. Depois de descobrir qual é a ideal, basta acionar sua corretora, transferir o dinheiro e investir no título escolhido!

6. Confira seus rendimentos

Periodicamente, é interessante acompanhar o crescimento de sua aplicação no Tesouro Direto. O próprio Tesouro envia um extrato mensal para o seu email com os rendimentos, mas também é possível consultar e verificar extratos por conta própria.

Vantagens e desvantagens do Tesouro Direto

Se está nos acompanhando até aqui, já deve ter certa noção das vantagens e desvantagens na aplicação em Tesouro Direto. Porém, podem existir alguns detalhes que passaram despercebidos. Por isso, confira abaixo as principais características positivas e negativas dessa modalidade de investimento.

Vantagens do Tesouro Direto

 

  • Baixo custo: com cobrança de IR apenas sob a rentabilidade e no momento do resgate e a taxa de custódio do B3, investir no Tesouro Direto é bastante acessível. Ou seja, nada do temido come-cotas;

 

 

  • Garantido pelo FGC: o Fundo Garantidor de Crédito é um fundo criado para cobrir investidores que possam perder dinheiro por conta da quebra de uma instituição financeira. Mesmo que seja muito improvável no Tesouro Direto, caso isso aconteça você pode receber até R$ 250.000 que investiu de volta;

 

 

  • Ideal para investidores conservadores: por conta do longo prazo de resgate e o risco quase nulo, aprender como investir em Tesouro Direto é perfeito para conservadores.

 

Desvantagem do Tesouro Direto

A única desvantagem do Tesouro Direto, para nós, é sua baixa rentabilidade. Claro, baixa comparada com o retorno da poupança tradicional.

Por conta de seu baixo custo e alto nível de segurança, isso significa que a sua rentabilidade não é tão atrativa, se comparado a outras opções de investimento, como a renda variável.

Conseguiu entender um pouco mais sobre aplicação em Tesouro Direto? Tem interesse em investir nos títulos públicos. Então entre em contato conosco hoje mesmo para que possamos te ajudar a encontrar o investimento ideal!