Assessor de investimentos: o que é e como funciona o seu trabalho

Contar com um assessor de investimentos é a melhor chance de não cometer erros básicos ao investir. Mesmo que você possa gerenciar seus ativos no mercado financeiro por conta própria, contar com a ajuda de um assessor de investimentos pode ser uma boa ideia. 

Afinal de contas, ele está lidando com o mercado de investimentos diariamente e está atualizado em relação aos novos produtos financeiros ou tendências de mercado.

Ou seja, sua atuação é semelhante a de um consultor, que estuda o mercado e te indica as melhores opções para os seus clientes.

Mas o que faz exatamente um assessor de investimentos? Como funciona a sua rotina? E ainda mais importante: o que o assessor de investimentos não pode fazer?

As respostas para todas essas perguntas serão respondidas nos próximos parágrafos. Por isso, nos acompanhe por alguns minutos e entenda como o profissional de investimentos pode ajudar a impulsionar a rentabilidade dos seus ativos financeiros!

O que faz um assessor de investimentos?

Também conhecido pelo nome Agente Autônomo de Investimentos – que inclusive é o nome formal da profissão -, o assessor de investimentos. Sua rotina gira em torno de quatro atividades principais.

São elas:

  • Recepcionar e registrar ordens de transmissão dos seus clientes;
  • Prestar informações sobre os produtos financeiros disponíveis;
  • Ajudar clientes a avaliarem o seu perfil de investidor;
  • Analisar novas opções de investimento.

A seguir, vamos detalhar o que cada uma dessas funções significa.

Recepção e registro de ordens de transmissão

Se você tem um assessor de investimentos, é com ele quem deve falar para executar ordens de compra ou resgate de ativos, como ações ou títulos de renda fixa. Além disso, ele também poderá te enviar extratos sobre os seus rendimentos, como o do Tesouro Direto. Ele é quem será a ponte entre você e a corretora.

É obrigação do profissional cumprir o registro das ordens que passar a ele. Ou seja, um profissional correto e registrado irá cumprir com as suas decisões, mesmo que discorde delas.

Prestar informações sobre os produtos financeiros disponíveis

Por estar atualizado sobre as novidades do mercado financeiro, também é atribuição dele te manter informado. Na verdade, se pudéssemos resumir as atividades do assessor de investimentos em uma frase, ela seria “orientar e trazer informações sobre os diferentes produtos financeiros disponíveis no mercado.”

Ou seja, o assessor de investimentos serve para te ensinar e informar sobre os produtos financeiros disponíveis na corretora onde tem a sua conta. Como já mencionamos acima, é importante ressaltar que o profissional não pode te recomendar algum investimento em particular.

Mais à frente no texto, explicaremos porque o agente autônomo de investimentos é proibido de fazer recomendações.

Ajudar clientes a definirem seu perfil de investidor

Considerando o item anterior, você já deve ter notado que o assessor de investimentos é uma profissão educacional. Por isso, uma das tarefas dele é ajudar seus clientes a descobrirem qual seu perfil de investidor.

Algumas corretoras já contam com ferramentas que te ajudam a descobrir sozinho, mas o assessor também é preparado para te fazer as perguntas necessárias para saber se é um investidor conservador, moderado ou arrojado.

Analisar novas opções de investimento

Embora o assessor de investimentos não possa recomendar ativos em específico, é dever dele conhecer a fundo os produtos vendidos pela corretora que ele representa.

Considerando que sua atividade principal é informar seus clientes sobre essas novas opções de investimento, ele deve ter conhecimento e didática para explicar características, vantagens, desvantagens, riscos e custos.

Seja para ele mesmo contatar os clientes ou saber responder às dúvidas dos assessorados que entrarem em contato.

O que o assessor de investimentos NÃO pode fazer

Como já deve ter notado nos itens acima, duas ações específicas não podem ser feitas de maneira nenhuma pelos agentes de investimentos.

A principal delas é recomendar investimentos em particular para os seus clientes. Por que essa atitude é proibida? O motivo é muito simples: conflito de interesses.

Ao abrir a possibilidade de recomendar investimentos, bancos e fundos de investimentos podem oferecer remuneração para que o assessor recomende seus ativos aos clientes.

Ou seja, o assessor de investimentos pode acabar recomendando ativos que serão melhores para ele, não para seus clientes.

Como o assessor é remunerado?

Se o assessor não pode ganhar dinheiro dos fundos e bancos por recomendar investimentos e você como cliente não paga esse profissional, então como ele é remunerado?

Por meio da comissão que as corretoras recebem dos produtos financeiros que vendem em sua plataforma. Toda vez que você compra um ativo financeiro, a sua corretora recebe uma comissão. Parte dessa comissão é revertida para o assessor de investimentos. 

Ele também pode receber quando você paga a taxa de administração dos fundos que têm em sua carteira, entre outros. Isso também pode fazer com que ele pareça favorável a investimentos que irão gerar mais comissão para ele e a corretora. 

Ou seja, ainda assim é necessário lidar com certos conflitos de interesse que podem aparecer na sua relação com o assessor. Não há muito o que fazer em relação a isso. 

Por isso, nossa recomendação é que sempre peça por alternativas e estude as opções que ele apresentou para confirmar se realmente são as melhores para você.

Ainda assim, é importante ressaltar que profissionais que costumam pensar mais em suas comissões ao invés de ajudar dificilmente prosperam na carreira.

Existe assessor de investimentos independente?

Não. Mesmo que ele não seja contratado de um escritório de consultoria financeira, ele é obrigado a se associar a uma corretora. Da mesma maneira que você precisa se cadastrar em uma corretora para investir, ele também precisa fazer o cadastro de assessor para te oferecer os produtos e cumprir com suas ordens e decisões.

Por isso, se você perguntar a qual corretora ele é registrado e ele dizer que opera por conta própria, provavelmente está lidando com alguém que não sabe o que está fazendo, mas quer seu dinheiro a qualquer custo.

Quais órgãos regulam a profissão?

O assessor de investimentos deve cumprir o regulamento de duas instituições. A primeira delas é a ANCORD, responsável por regulamentar e fiscalizar a profissão do agente autônomo de investimentos.

É a ANCORD quem aplica a prova necessária para que um profissional seja registrado oficialmente como um assessor de investimentos. Além disso, é ela mesmo que emite a certificação dos agentes e tem em seu site a relação completa dos profissionais certificados.

Sempre que for abordado por um assessor de investimentos, é importante que acesse o site da ANCORD e confira se ele é um profissional registrado.

Além da ANCORD, temos também a própria CVM (Comissão de Valores Imobiliários). Ela também é responsável por autorizar os assessores a cumprirem a sua função.

Essa autorização vem em conjunto com a da própria ANCORD e é realizada junto à aprovação na prova aplicada pela instituição. Apenas com a autorização emitida por esses dois órgãos é que o assessor de investimentos pode começar a prospectar clientes para ofertar seus serviços.

Está procurando por um assessor de investimentos para te ajudar a montar seu perfil de investidor e te manter por dentro das principais novidades do mercado financeiro? Então nos mande já uma mensagem para que possamos te ajudar a estabelecer sua presença no mercado de investimentos!