Como investir em debêntures? Saiba quais critérios você precisa saber antes de começar

Com a queda da taxa de juros, muito investidores estão tendo que buscar alternativas de investimentos mais rentáveis e como investir em debêntures têm se tornado um questionamento comum.

Investir em debêntures é investir em grandes empresas. As debêntures são títulos de renda fixa expedidos por empresas que estão em busca de financiamento para seus projetos. Basicamente, ao invés de pegar dinheiro emprestado com os bancos, as empresas emitem títulos para pessoas físicas ou outras empresas que posteriormente recebem com juros o dinheiro investido. 

As taxas de juros, datas de pagamento, existência ou não de correção do valor investido pela inflação (IPCA), as garantias e outros detalhes do negócio são definidas por cada empresa e podem ser consultadas pelo investidor antes de adquirir o ativo

Essas taxas maiores de rendimento vem acompanhadas de riscos mais elevados, mas que podem ser minimizados se bem avaliados.

O que são debêntures?

Debêntures são investimentos de médio e longo prazo. Ou seja, você só deve investir aqui aquele dinheiro que não precisará utilizar no curto prazo.

Boa parte das emissões estão em torno de R$ 1 mil. Isso significa que é bastante acessível e os investidores têm a possibilidade de começar mesmo com aportes pequenos. 

Regulamentadas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), as debêntures são subdivididas em diversas categorias que veremos ao final.

Ativos de renda fixa

Debêntures são ativos de renda fixa. Ou seja, funcionam como um empréstimo do seu dinheiro para o emissor e em troca você recebe uma taxa de rentabilidade fixa, que é definida no momento da compra. 

Por ter um retorno previsível, os especialistas indicam a renda fixa como  primeiro tipo de investimento e base do patrimônio.

Contudo, como investir em debêntures não é tão simples como um investimento de renda fixa comum, com menos riscos, como poupança, CDB e tesouro direto, elencamos aqui o que você precisa saber para começar a investir em debêntures.

Quais são os principais critérios para começar a investir?

Independentemente do tipo de investimento que está pensando em realizar, antes de qualquer outra coisa é preciso descobrir qual é o seu perfil de investidor. Isso é feito através de análises de diversos fatores pessoais e de mercado, entre eles: seus objetivos, prazos e disponibilidade aos riscos. 

Feito isso, o próximo passo é definir quais quantias pretende colocar em investimentos de baixo, médio ou alto risco.

Para entender como investir em debêntures primeiro é preciso lembrar que estamos investindo em empresas. Por isso, um dos principais critérios na hora de começar a investir, em qualquer um desses títulos, é avaliar as empresas emissoras. Uma boa avaliação das companhias e da situação em que se encontram no mercado é essencial para ter segurança a respeito de onde você está colocando suas economias.

As debêntures costumam ser indicadas para investidores não tão conservadores e o dinheiro destinado a elas deve ser aquele separado justamente para correr riscos. Mesmo assim, sempre deve ser avaliado se a recompensa por estes riscos está valendo a pena, se os juros que serão recebidos compensam o investimento em debêntures, ao invés de em outras fontes mais seguras de renda fixa.

Outro critério a se considerar é o tempo que pretende esperar com esse dinheiro investido, já que as debêntures são consideradas de médio e longo prazos. Além disso, não possuem alta liquidez, logo, se você vendê-lo antes do vencimento, terá perdas de resultados. 

Dito isso, vamos explorar um pouco mais os principais critérios que devem ser levados em conta quando estamos falando de como investir em debêntures.

1 – Rentabilidade

Há dois tipos de taxas de rendimento deste ativo, o prefixado e pós-fixado.

No primeiro o rendimento é fixo, por exemplo, 12% ao ano. Assim, você vai receber exatamente 12% todos os anos, até a data de vencimento do título.

Já o pós-fixado está atrelado a um indexador da economia, como IPCA ou CDI. Portanto, seu rendimento será de 5% + IPCA ou 120% do CDI, por exemplo. Como no segundo caso os índices sofrem variações, os rendimentos da debênture também oscilam até a data do resgate.

2 – Risco

O principal fator de risco das debêntures é o fato delas não terem garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) que assegura que mesmo que o banco tenha algum problema financeiro seu investimento está seguro. 

Diferente do que acontece quando você empresta dinheiro para um banco, através de outros títulos como CDB, LCI, LCA, onde a devolução do seu dinheiro não é um problema. 

As debêntures não possuem garantia do FGC, mas existem alguns modelos de garantia oferecidas:

  • Debênture com garantia real: são títulos que possuem como garantias os bens de propriedade da empresa que emitiu os títulos ou de terceiros. Por oferecerem garantias reais, essas podem ser consideradas as que apresentam menores riscos.
  • Debênture com garantia flutuante: nesse caso, se a empresa falir, ela garante o pagamento aos investidores das debêntures antes de todos os outros credores.
  • Debênture subordinada: caso a empresa venha a quebrar, apenas os acionistas receberão o seu dinheiro de volta. Logo, essa opção é a que oferece mais riscos, em contrapartida, costumam oferecer as maiores rentabilidades.
  • Debênture quirografária ou sem preferência: Diferentemente da flutuante, aqui não é oferecido nenhum tipo de privilégio, não há uma hierarquia a respeito de quem recebe primeiro os valores.

3 – Tipos de debêntures

Primeiro, as debêntures são classificadas em nominativa ou escritural. Sendo que a primeira consiste no registro, controle e emissão do título em nome do investidor. Enquanto que a escritural se trata da forma mais comum, em que uma instituição financeira faz a oferta, controle e registro da aquisição do investidor. 

Posteriormente, elas são classificadas quanto à forma de pagamento do rendimento e podem ser simples, conversível, permutável e incentivada.

Por fim, há as classes especiais e as relacionadas à garantia que são as debêntures perpétua, participativa e debênture da operação de securitização.

É necessário entender bem o que significa cada uma das modalidades para decidir como investir em debêntures e a Onze te ajuda nessa missão.

Debêntures podem ser bons investimentos quando feito de forma consciente, avaliando os riscos, estudando a situação da empresa emissora e comparando a oferta com outras oportunidades disponíveis no mercado.