Controle financeiro pessoal: programas, planilhas e dicas

O controle financeiro pessoal é o primeiro passo para quem almeja a estabilidade e a independência financeira.

Com o domínio do seu dinheiro e o planejamento das suas contas, é possível fazer os números trabalharem para você e ainda projetar um futuro confortável ao lado de quem você ama.

Tentador, concorda? Esse cenário começa por um rígido controle financeiro pessoal, com o qual você tem domínio completo sobre o orçamento. 

Interessado em seguir esse caminho? Neste artigo, você vai entender como fazer esse controle com aplicativos, planilhas e dicas que vão levar suas finanças a um novo patamar.

Importância do controle financeiro pessoal

Sem o controle financeiro pessoal, não importa quanto você ganhe — você sempre vai chegar ao final do mês com dificuldades financeiras.

Parece mentira, mas é o que acontece na prática: quem não controla as próprias finanças perde o domínio sobre o orçamento. De gasto em gasto, se vai todo o salário do mês, e você chega à última semana contando as moedas.

Engana-se quem pensa que o controle financeiro é importante apenas para quem tem um salário baixo. Quem conta com uma remuneração alta e quer realizar sonhos, como ter filhos, realizar uma viagem ou casar, também precisa dessa organização.

No longo prazo, apenas quem controla as finanças de forma rígida no presente consegue atingir a estabilidade e a independência financeira.

Ferramentas de controle financeiro pessoal

A tecnologia é uma aliada de quem pretende ter um excelente controle financeiro pessoal. Confira alguns sites, apps e ferramentas que vão auxiliar você a atingir a independência financeira:

Home banking

A primeira ferramenta que precisa ser o braço direito de quem almeja um bom controle financeiro é o home banking do seu banco. Pode ser o site, que você acessa pelo desktop ou notebook, ou mesmo o aplicativo.

Com a sua conta acessível a um toque, você consegue consultar extratos, acompanha a fatura do cartão de crédito e monitora o valor presente na conta corrente para garantir que nada extrapole o seu planejamento financeiro.

Calculadora do Cidadão

A Calculadora do Cidadão é um aplicativo criado pelo Banco Central para ajudar o consumidor brasileiro em cálculos importantes do cotidiano financeiro.

Disponível gratuitamente, o app ajuda o usuário a tomar a melhor decisão em dúvidas como:

  • Comprar parcelado ou à vista?
  • Qual o melhor investimento para guardar dinheiro?
  • Como pagar menos juros?

Essas e outras perguntas são respondidas com exemplos práticos no app.

Organizze

O Organizze é um aplicativo muito útil para quem precisa fazer o controle financeiro pessoal, porque ele permite projetar os gastos do mês, controlando tudo que entra e sai da sua conta.

Ao inserir manualmente cada gasto e receita, você consegue planejar o mês, para entender quanto dinheiro vai sobrar – e quanto você pode investir.

Guia Bolso

O Guia Bolso é semelhante ao Organizze, com a diferença de que ele permite inserir as movimentações da sua conta de forma automática, sincronizando com o seu banco.

Ele é bastante útil para quem deseja descobrir para onde o dinheiro está indo efetivamente – quanto você gasta em cada área, como saúde, alimentação e lazer Com essa informação, fica muito mais fácil planejar o mês e cortar gastos não essenciais.

Kinvo e Trademap

O Kinvo e o Trademap são dois apps fundamentais para quem investe no mercado financeiro, seja na renda fixa ou na renda variável.

Esses apps permitem que você acompanhe o rendimento das suas aplicações em tempo real, para comparar com indicadores do mercado, como o CDI e o Ibovespa.

Planilhas do Excel

Nem só de apps vive o sujeito que tem um grande controle financeiro pessoal. 

As saudosas planilhas, do Excel ou do Google Sheets, são ferramentas muito úteis para organizar a sua vida financeira.

Seja com as planilhas de gastos ou com planilhas mais complexas para planejar gastos maiores, como uma mudança, a compra de um apartamento ou um casamento, essa ferramenta nunca sai de moda.

7 Dicas para o controle financeiro pessoal

Agora que você já conhece algumas das principais ferramentas que vão ajudar na busca pelo controle financeiro pessoal, chegou a hora de entender como fazer isso na prática.

Selecionamos algumas dicas simples — mas valiosas — que vão guiar essa jornada. Acompanhe:

1. Organize todas as suas receitas

O primeiro passo para alcançar um controle financeiro pessoal é entender e organizar as suas receitas e despesas.

Pode parecer óbvio, mas muita gente não acompanha em detalhes os gastos e as receitas, em especial os profissionais autônomos, cuja renda é variável.

A primeira dica, portanto, é anotar todas as receitas que entram em cada mês, separando por diferentes fontes. Assim, você saberá o limite que pode gastar por mês.

2. Meça suas despesas

Depois de medir as receitas, é hora de descobrir o quanto você gasta.

Aqui, vale a pena apostar no Organizze, no GuiaBolso, na planilha do Excel, no bloco de notas do celular ou até naquele caderninho que está sempre com você. 

Anote absolutamente todos os gastos dentro de um mês. Depois, some e divida por categorias, como saúde, alimentação, lazer e moradia. A boa notícia é que os melhores aplicativos já fazem isso por você.

3. Separe gastos fixos de variáveis

Com as despesas anotadas, é hora de separar os gastos relativamente fixos (aluguel, condomínio, água, gás, energia, academia, faculdade, gasolina, etc.) dos variáveis (alimentação, lazer, entretenimento, higiene, vestuário, saúde, decoração, etc.).

A partir dessa divisão, você perceberá que reduzir os gastos fixos gera um efeito mais relevante no longo prazo, embora eles sejam os mais difíceis de reduzir. 

Nos gastos variáveis, está boa parte da “gordura” que você cortar em caso de necessidade, com gastos não essenciais. 

4. Negocie suas dívidas

Com as receitas e despesas devidamente anotadas e separadas, é hora de analisar as dívidas que você contraiu com financiamentos, compras ou empréstimos.

Uma excelente alternativa para melhorar o controle financeiro pessoal é renegociar as dívidas com os credores, conseguindo condições mais atraentes de pagamento, seja ao reduzir a taxa de juros ou abater parte da dívida à vista.

Os juros dessas dívidas tendem a corroer o seu poder financeiro no longo prazo, porque superam em muito as principais aplicações financeiras.

5. Faça um planejamento financeiro

Com as dívidas renegociadas, é hora de fazer um planejamento financeiro.

  • Quanto você precisa para passar o mês?
  • O que você pode reduzir?
  • Como você pode aumentar as receitas?
  • Quanto você consegue poupar?
  • Onde você pode investir?

Defina metas e trace um planejamento financeiro com valores a atingir, tanto do ponto de vista de redução das despesas como de incremento das receitas.

6. Pague-se em primeiro lugar

Essa é uma dica que vale ouro: para garantir que você vai conseguir investir e poupar uma quantia mensal, pague-se primeiro. Isso significa que, ao receber o salário, a primeira coisa que você fará com o dinheiro é separar a quantia que você vai investir ou poupar.

Depois, você passa o restante do mês com o que sobrou. Essa mudança de mentalidade pode fazer toda a diferença no longo prazo, porque, se o dinheiro ficar disponível, é muito mais fácil gastá-lo.

7. Seja consistente e estude

Finalmente, a última dica é a consistência. Alcançar o controle financeiro pessoal leva tempo, e exige esforço e disciplina.

Você não conquistará a independência financeira da noite para o dia, e não chegará perto dos seus objetivos se não estudar as melhores maneiras de lidar com o dinheiro com foco no longo prazo.

Seja perseverante e esteja sempre aberto a aprender cada vez mais. E nessa jornada, conte com a Onze Investimentos para encontrar os melhores atalhos até um futuro mais confortável, seguro e promissor.