MACD é um bom indicador?

Acompanhar as oscilações do mercado financeiro não é uma tarefa fácil, especialmente para os iniciantes. Mas o fato é que todo investidor precisa ficar atento ao que está acontecendo para não perder dinheiro nas suas aplicações, ou tentar minimizar ao máximo os riscos e as eventuais perdas inevitáveis.

Uma das ferramentas mais indicadas para isso é o Moving Average Convergence Divergence (MACD), cuja sigla em português quer dizer Média Móvel Convergente e Divergente. Esse indicador serve de bússola na hora de fazer uma análise técnica e tomar uma decisão, especialmente para os investidores de risco e que precisam desse acompanhamento diário.

Saiba mais como funciona e por que ele é tão recomendado:

MACD é um bom indicador?

Em primeiro lugar, é importante levar em consideração que o MACD é um indicador que mostra uma tendência do mercado. Ele foi criado nos anos 1970 por Gerald Appel e ainda é classificado como um dos melhores nesse segmento.

Entre as suas especificidades, está a sinalização de uma tendência de precificação, fundamentais para quem opera inclusive na faixa da especulação e precisa ficar muito atento à oscilação dos riscos.

Como é feita essa análise dos dados?

O MACD faz uma relação entre duas médias móveis e calcula a subtração entre a Média Móvel Exponencial (MME) de 12 dias e a Média Móvel Exponencial de 26 dias.

Já existem vários softwares que demonstram esses indicadores, mas para facilitar o entendimento, o ideal é seguir uma fórmula bastante simples e ver como essas variações ocorrem na prática:

Indicador MACD = (MME 12 dias – MME 26 dias)

Indicador de Linha de Sinal = MME 9 dias

Histograma MACD = MACD – Linha de Sinal

Como já vimos, o MACD aponta para uma tendência de precificação. Já a Linha de Sinal é o indicador que vai demonstrar os pontos de virada dessa tendência.

O Histograma, por sua vez, é a bússola para saber a distância entre a MACD e a Linha de Sinal: quanto mais para cima a MACD estiver, mais o resultado tende a ser positivo; e quanto mais abaixo, mais negativo será o índice.

Quais tendências ele pode indicar?

Mas, afinal, o que mais podemos descobrir usando o MACD?

Por ser um dos indicadores mais confiáveis, os especialistas lembram que o MACD é um ótimo parâmetro para saber quando a tendência do mercado é revertida.

Em outras palavras, pelas oscilações do MACD, é possível visualizar os ativos que foram comprados ou vendidos, servindo de bússola para quem precisa decidir qual é o período ideal para entrar ou sair de determinada operação.

Para a compra, o indicativo é mais favorável quando a linha do MACD ultrapassa a Linha de Sinal de baixo para cima. Ou seja, quando a curva é ascendente. Para a venda, ocorre exatamente o contrário: a linha do MACD precisa ultrapassar a Linha de Sinal de cima para baixo.

Dessa forma, o analista técnico consegue verificar os melhores momentos a partir de pequenas oscilações, às vezes com diferenças mínimas, mas que podem representar grandes ganhos.

Para quem é mais recomendável?

O MACD é um bom indicador, tal como explicado anteriormente, para quem está disposto a correr riscos constantes e tem alguma disponibilidade para ficar acompanhando as oscilações do mercado.

Se essa movimentação e dedicação não cabem no seu dia a dia, talvez seja melhor buscar investimentos que não sejam alterados por fatores tão complexos, ou cujos resultados podem ser consultados de maneira mais simples, com dividendos mais garantidos no longo prazo.

Por outro lado, se o risco é o que motiva você a fazer novos investimentos e aplicações, o MACD certamente será uma ferramenta bastante útil na sua compreensão do mercado e na sua constante tomada de decisões.